Não pare de cantar! [PARTE 1]

Pr. Cesinha Sitta

         Como anda o louvor em sua vida em meio as adversidades? Consegue cantar diante delas? Talvez não tenhamos noção do quanto a adoração tem poder para quebrar cadeias e vencer batalhas. Neste estudo, desejamos mostrar ao leitor o que a Bíblia revela a respeito da música.

         Começamos falando de Habacuque, exemplo de homem que não parou de cantar. No capítulo 3, dos versos 17 ao 19, ele narra uma grande crise e, ao mesmo tempo, mostra seu posicionamento diante dela. Ele deixou claro que, apesar de qualquer situação que enfrentasse, se manteria alegre. O texto, porém, possui um pequeno detalhe, contido de uma grande revelação. Ao final do versículo 19, ele diz:

 

Para o cantor-mor sobre os meus instrumentos de corda
Habacuque 3.19

 

         Habacuque escreve seu sofrimento e angustia e leva ao cantor, para que o mesmo transformasse suas palavras em uma canção. Além de passar pela prova exercitando o fruto da alegria, decide cantar diante do seu Deus.

         Cantar, neste contexto, não se refere à música propriamente dita, mas sim ao o lugar onde ficamos acima dos problemas. Estamos falando de louvor, de um espírito inabalável e da própria adoração. Porém, muitos cristãos estão passando pelas mesmas provações de Habacuque, mas não estão cantando. Muitos até completarão a carreira, mas sem cantar. Alguns até cantam, mas cantam murmúrios e palavras amargas de reclamação. A murmuração pode ser vista como o oposto da adoração.

         Temos que tomar cuidado com nossos ouvidos, pois cantamos aquilo que ouvimos. Habacuque, por exemplo, no verso 19 do capítulo 3, cantou aquilo que ouviu Davi cantar (Sl 18.33) Ele cantou o que Davi já havia declarado. Habacuque ouviu a música certa. A Bíblia nos diz que é melhor ouvir a correção de um justo do que a música feita pelos ímpios (Ec 7.5).

A música profética.

A música é profética, pois expressa o que estamos sentindo e aquilo que ainda desejamos sentir. O Senhor, por exemplo, nos convida a cantar aquilo que vale nossa vida. Devemos cantar o que desejamos que aconteça a nós. Davi nos deixou o exemplo, pois disse que louvaria ao Senhor EM TODO TEMPO e CONTINUAMENTE (Sl 34.1). Em todo tempo porque ele O louvaria em toda e qualquer situação e continuamente, pois O louvaria ininterruptamente, sem pausa. Ele não apenas disse que faria isso, mas realmente fez. Em 1 Crônicas 6.32, a Bíblia nos conta que ele estabeleceu que os levitas cantassem continuamente diante do tabernáculo, da Tenda do Encontro. Davi, sabendo do valor que a adoração e a música tinham, estabelece 24 horas de adoração ininterruptas.

 

Deus ama os louvores e procura os adoradores.

         Assim como achou Davi, Deus está procurando seus adoradores. Ora, se Ele procura, é porque está difícil de encontrar. Ele procura, pois Sua Palavra diz, em Salmos 22.3, que Ele habita em meio aos louvores. Apesar de  estar em todos os lugares, existe o lugar da Sua manifestação, e esta acontece entre os louvores. Quando deixamos de cantar, então, deixamos de provar a manifestação de Deus em nossas vidas. Não podemos parar de cantar.

         Paulo, em Efésios 5.19, ordena aos cristãos da igreja de Éfeso que cantem e louvem ao Senhor e que, entre os irmãos, falem com hinos e cânticos espirituais, pois o céu é cheio de música. João, por exemplo, em suas visões a respeito do livro de Apocalipse, fala a respeito de várias músicas que foram lá cantadas. Ele poderia ter deixado de lado esse detalhe, mas não foi o que fez. Deus também nos convida a cantar a música do céu. O seu povo no deserto teve dificuldade em fazer isso. Ao saírem do Egito, estavam alegres, pois o momento lhes era favorável. Entretanto, ao depararem-se com o Mar Vermelho, sua canção mudou. Agora gritavam [cantavam] murmurações e rebeldia (Ex 14.10-12). Esta, com certeza, não foi a música que João ouviu em suas visões. Após Deus os ter livrado do mar e com as mesmas águas, destruído os egípcios, a canção torna a mudar. Agora eles cantam:

Então cantou Moisés e os filhos de Israel este cântico ao SENHOR, e falaram, dizendo: Cantarei ao SENHOR, porque gloriosamente triunfou; lançou no mar o cavalo e o seu cavaleiro. O Senhor é a minha força, e o meu cântico; ele me foi por salvação; este é o meu Deus, portanto lhe farei uma habitação; ele é o Deus de meu pai, por isso o exaltarei. O Senhor é homem de guerra; o Senhor é o seu nome.

Êxodo 15.1-3

 

         Outro exemplo disso aconteceu na vida de Jesus que, ao entrar em Jerusalém, o povo canta: Hosana nas alturas (Mt 21.9). Alguns dias depois, estão gritando [cantando] para matá-lo (Mt 27.22).

         O próprio Satanás sabe da importância que a música tem. O capítulo 28 do livro de Ezequiel fala a respeito de Lúcifer e sua criação. Ele era um anjo de luz e foi criado em meio à música (Ez 28.13-14). Ele foi ungido no céu para cobrir esta área, ou seja, foi ungido para conduzir a música. Esta era sua função no céu, talvez fosse até mesmo o maestro. Ele sabe a importância que a música tem e o seu conhecimento sobre música não foi perdido. O que ele fez foi transformar a música hoje em algo que adore a ele.

        

Exemplos de vitórias por meio da Adoração

         Davi é o exemplo de homem que cantava ao Senhor. Todos os salmos, na verdade, foram escritos para ser cantados. Ele entendeu que a música não podia parar em sua vida (Sl 47.6-7).

         Paulo e Silas cantaram diante de um dia difícil de perseguição. Perto da meia noite, dentro da cadeia, amarrados, decidem cantar. Deus reage diante da música enviando um terremoto, que os libertou (At 16.25-26).

         O rei Josafá vence uma batalha colocando os ministros de louvor na linha de frente do exército (2 Cr 20.21-22).

         Jesus, num momento de Ceia, conta aos discípulos que seria esmagado, mas antes de sair, canta uma canção com eles. Ele não parou de cantar, mesmo indo para o caminho que o levaria a morrer (Mt 26.30).

 

         Diante de tantas revelações e ensinamentos, parar de cantar seria uma tolice de nossa parte. Se o nosso Deus habita em meio aos louvores, esforcemo-nos para fazer de nossa vida sua eterna morada.